Associação Brasileira de Brangus
Login:   Senha:  
  história
  diretoria
  sócios
  técnicos
  interatividade
  transparência
  fale conosco
  comunicados
  rank
  catálogo
  genealogia
  trocar a senha
  denúncias
             reclamações
  artigos técnicos
  Revista Brangus
  clima
  eventos
  notícias Brangus
  notícias RSS
  download
  fotos
  vídeos


Matéria atualizada 09/01/2018

Eliminação de gene facilita digestão de gramíneas

Supressão de gene faz com que gramíneas sejam mais digeríveis e tenham maior valor nutricional para os bovinos

Uma equipe de pesquisadores do Brasil, Reino Unido e Estados Unidos descobriu um gene responsável pela dureza nas paredes celulares de vegetais. A pesquisa, publicada na revista New Phytologist, apontou que a "supressão" desse gene por meio da biotecnologia faz com que plantas liberem até 60% mais açúcar, o que favorece a produção de etanol de segunda geração, e que gramíneas sejam mais digeríveis e com maior valor nutricional aos animais ruminantes.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que integrou o grupo de pesquisa, a maior parte do poder calorífico contido na biomassa vegetal está contida em paredes celulares. Esse armazenamento ajudou gramíneas forrageiras a sobreviverem "mas o problema é que essa robustez dificulta a digestão no rúmen de bovinos e ovinos e é um obstáculo para a produção de etanol nas biorrefinarias", informou a Embrapa.

O pesquisador Hugo Molinari do Laboratório de Genética e Biotecnologia da Embrapa Agroenergia, em Brasília (DF), um dos coordenadores do projeto, avalia que a descoberta tem um mercado potencial bilionário para etanol e a pecuária bovina. "Somente no Brasil, os mercados potenciais desta tecnologia foram avaliados, no ano passado, em R$ 1,3 bilhão para o segmento de biocombustíveis e de R$ 61 milhões para alimentação de bovinos. Além do impacto econômico, é importante dizer que é uma descoberta muito importante para a comunidade científica", informou o cientista da Embrapa.

Segundo Rowan Mitchell, biólogo de plantas do Rothamsted Research, no Reino Unido, e um dos líderes da pesquisa, os genes "candidatos" a serem os responsáveis pelo controle do endurecimento na parede celular foram identificados há uma década. "Mas provou-se ser muito difícil demonstrar esse papel, embora muitos laboratórios tenham tentado. Nós produzimos a primeira forte evidência para um desses genes identificados", relatou o cientista.

Com a biotecnologia, o gene responsável foi suprimido para cerca de 20% de sua atividade normal. Dessa forma, a biomassa produzida apresentou menor rigidez nas paredes celulares em comparação a uma planta não modificada. "A supressão não mostrou efeito óbvio sobre a produção de biomassa ou sobre a aparência das plantas transgênicas", informou Mitchell. "Cientificamente, agora queremos descobrir como esse gene atua no processo (de endurecimento na parede celular). Dessa forma, podemos tornar o processo ainda mais eficiente."

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO


Mais Notícias
Paranaenses apostam na raça Brangus e comemoram resultados
Estado conta atualmente com um plantel de cerca de 6.735 mil exemplares registrados segundo a Associação Brasileira de Brangus
Pecuaristas de Minas Gerais apostam na raça Brangus
Estado conta atualmente com um plantel de cerca de 1.367 mil exemplares registrados segundo a Associação Brasileira de Brangus
Sul-mato-grossenses apostam na raça Brangus e comemoram resultados
Estado conta atualmente com um plantel de cerca de oito mil exemplares registrados segundo a Associação Brasileira de Brangus
Evento marca encontro de criadores de Brangus da América Latina
Grupo de 15 brasileiros participou de gira internacional em Córdoba onde proporcionou negócios e intercâmbio genético
 
 
Redes Sociais :
Rua Piratininga, 908 Jardim dos Estados
Campo Grande, MS - CEP: 79020-240 - Fone: (67) 3321-1316
developed by