Associação Brasileira de Brangus
Login:   Senha:  
  história
  diretoria
  sócios
  técnicos
  interatividade
  transparência
  fale conosco
  comunicados
  rank
  catálogo
  genealogia
  trocar a senha
  denúncias
             reclamações
  artigos técnicos
  Revista Brangus
  clima
  eventos
  notícias Brangus
  notícias RSS
  download
  fotos
  vídeos


Matéria atualizada 09/01/2018

Eliminação de gene facilita digestão de gramíneas

Supressão de gene faz com que gramíneas sejam mais digeríveis e tenham maior valor nutricional para os bovinos

Uma equipe de pesquisadores do Brasil, Reino Unido e Estados Unidos descobriu um gene responsável pela dureza nas paredes celulares de vegetais. A pesquisa, publicada na revista New Phytologist, apontou que a "supressão" desse gene por meio da biotecnologia faz com que plantas liberem até 60% mais açúcar, o que favorece a produção de etanol de segunda geração, e que gramíneas sejam mais digeríveis e com maior valor nutricional aos animais ruminantes.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), que integrou o grupo de pesquisa, a maior parte do poder calorífico contido na biomassa vegetal está contida em paredes celulares. Esse armazenamento ajudou gramíneas forrageiras a sobreviverem "mas o problema é que essa robustez dificulta a digestão no rúmen de bovinos e ovinos e é um obstáculo para a produção de etanol nas biorrefinarias", informou a Embrapa.

O pesquisador Hugo Molinari do Laboratório de Genética e Biotecnologia da Embrapa Agroenergia, em Brasília (DF), um dos coordenadores do projeto, avalia que a descoberta tem um mercado potencial bilionário para etanol e a pecuária bovina. "Somente no Brasil, os mercados potenciais desta tecnologia foram avaliados, no ano passado, em R$ 1,3 bilhão para o segmento de biocombustíveis e de R$ 61 milhões para alimentação de bovinos. Além do impacto econômico, é importante dizer que é uma descoberta muito importante para a comunidade científica", informou o cientista da Embrapa.

Segundo Rowan Mitchell, biólogo de plantas do Rothamsted Research, no Reino Unido, e um dos líderes da pesquisa, os genes "candidatos" a serem os responsáveis pelo controle do endurecimento na parede celular foram identificados há uma década. "Mas provou-se ser muito difícil demonstrar esse papel, embora muitos laboratórios tenham tentado. Nós produzimos a primeira forte evidência para um desses genes identificados", relatou o cientista.

Com a biotecnologia, o gene responsável foi suprimido para cerca de 20% de sua atividade normal. Dessa forma, a biomassa produzida apresentou menor rigidez nas paredes celulares em comparação a uma planta não modificada. "A supressão não mostrou efeito óbvio sobre a produção de biomassa ou sobre a aparência das plantas transgênicas", informou Mitchell. "Cientificamente, agora queremos descobrir como esse gene atua no processo (de endurecimento na parede celular). Dessa forma, podemos tornar o processo ainda mais eficiente."

Fonte: ESTADÃO CONTEÚDO


Mais Notícias
ABS contrata touro Red Brangus Bi-Grande Campeão da Expointer
Gango foi criado na Estância São Rafael, no Rio Grande do Sul, e destaca-se pela combinação de cobertura de carne e agilidade
Comercialização de reprodutores na receita da propriedade
Investimento em genética eficiente e melhoradora é fator determinante para a viabilidade da produção de touros
Raça Brangus expande no mercado nacional
Grande parte busca utilização para inseminação artificial devido às características
Faltam insumos para exame de tuberculose em bovinos
Mapa faculta a exigência do teste para trânsito e eventos até que situação seja normalizada
 
 
Redes Sociais :
Rua Piratininga, 908 Jardim dos Estados
Campo Grande, MS - CEP: 79020-240 - Fone: (67) 3321-1316
developed by